Audiência pública em São Bernardo discute produção de gás que vai impulsionar o desenvolvimento da região do Baixo Parnaíba

Gildean Farias

São Bernardo recebeu neste sábado (16) a Audiência Pública sobre o projeto Produção do Gás de Transição, realizado pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB), empresa pública federal vinculada ao Ministério de Minas e Energia (MME). O evento foi realizado no auditório da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e reuniu autoridades dos poderes executivo e legislativo de São Bernardo e demais municípios da região do Baixo Parnaíba.

O projeto Produção do Gás de Transição engloba ações técnicas e científicas que o SGB pretende implementar no Maranhão com o objetivo de dinamizar a prospecção para gás natural. O projeto foi apresentado pelo diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil, Inácio Melo, que destacou a importância da iniciativa para impulsionar e contribuir com o processo de transição energética no território brasileiro.

De acordo com Inácio Melo, estudos do SGB descobriram novos poços produtores de gás no Baixo Parnaíba e a sua exploração deve proporcionar aos municípios da região, consideráveis avanços nos próximos anos em relação aos índices que evidenciam o desenvolvimento social, econômico e ambiental.

“Nós temos um dos maiores depósitos de gás aqui na Bacia do Baixo Parnaíba. O Serviço Geológico do Brasil começou estudos aqui em 2020, onde foi detectado que há possibilidade da produção de gás no Baixo Parnaíba e o que precisamos agora é avançar nesses estudos em parceria com a Petrobrás, com o Ibama, com a iniciativa privada e também com as prefeituras, para que, de fato, essa cadeia produtiva venha acontecer aqui na região, para que nós possamos fomentar e melhorar a vida das pessoas”, pontuou Inácio Melo.

Presente no evento, a senadora Eliziane Gama (PSD-MA), ressaltou a relevância do projeto Produção do Gás de Transição e o potencial da região do Baixo Parnaíba para o desenvolvimento de todo o estado. “Discutimos hoje aqui em São Bernardo, no Baixo Parnaíba, a produção de energias renováveis e, sobretudo o potencial que essa região tem para o desenvolvimento do Maranhão e do Brasil. O projeto Produção do Gás de Transição será centrado numa visão técnica e sustentável que vai gerar renda e mudar o perfil econômico de São Bernardo e de toda a região”, destacou.

O prefeito de São Bernardo João Igor (PDT) pontuou que recebe de forma muito grata a boa notícia trazida pelo Serviço Geológico do Brasil, de que São Bernardo e a região do Baixo Parnaíba tem potencial para a produção de gás de forma sustentável, e principalmente, a perspectiva da geração de emprego e renda para a os moradores dos municípios da região.

“Essa audiência pública marcou o primeiro passo para iniciarmos a exploração de gás no nosso município e em toda a região do Baixo Parnaíba, que vai beneficiar principalmente a população dos nossos municípios com geração de emprego e renda. E por isso mesmo, agradecemos ao diretor-presidente do SGB, Inácio Melo e a senadora Eliziane Gama, que têm se dedicado ao desenvolvimento da nossa região”, pontuou o prefeito.

“Estamos conduzindo da forma mais rápida possível para que viabilizemos tecnicamente os estudos para que se inicie a exploração do gás e traga o desenvolvimento tão sonhado para o nosso município e pra nossa região”, finalizou o prefeito.

Gás de transição

O Gás de Transição é um combustível fóssil que se forma em depósitos subterrâneos de matéria orgânica – como restos de algas, plantas e animais, que foram soterrados ao longo do tempo geológico. A sua utilização apresenta uma série de vantagens, entre aspectos ambientais e socioeconômicos, agregando também fatores como segurança, modernidade, praticidade e eficiência.

Em relação à sustentabilidade e ao meio ambiente, destaque para o fato do gás natural emitir menos gases poluentes na atmosfera em comparação aos derivados de petróleo, por exemplo, e não gerar outros tipos de resíduos. Assim, constitui-se como uma fonte mais limpa de energia.

A alta produtividade é outra vantagem de destaque, que, consequentemente, reflete em custos menores ao consumidor final. As reservas de gás natural no Brasil são amplas, estimadas em 500 bilhões de m³, e novas reservas estão sendo descobertas, o que garante a produtividade para o abastecimento em todo o território brasileiro por muito tempo.

O nível de segurança também é um fator considerável, visto que o gás natural não precisa ser armazenado em estoques e, se houver vazamento, também se dissipa mais rapidamente no ar. Além disso, possui um transporte facilitado pelos gasodutos, o que o torna mais ágil e dinâmico.

Veja mais fotos da audiência pública:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.