Bolsonarista mata petista horas após Jair defender ‘extirpar’ opositores

O Brasil produziu mais um cadáver por ódio político. Coincidentemente, a briga que levou ao crime começou algumas horas após o presidente da República defender, em comício na praia de Copacabana, que era necessário “extirpar da vida pública” adversários políticos da esquerda.

A Polícia Civil de Mato Grosso informou que Benedito dos Santos, eleitor de Lula, foi morto a golpes de faca e machado por Rafael de Oliveira, apoiador de Bolsonaro, após uma discussão política entre ambos na zona rural de Confresa, no Nordeste do Estado, descambar para a briga na noite de 7 de setembro.

“O que levou ao crime foi a opinião política divergente. A vítima estava defendendo o Lula, e o autor, defendendo o Bolsonaro”, afirmou o delegado Victor Oliveira ao portal G1. O assassino confessou o crime e está preso.

Santos teria dado um soco em Oliveira e pegado uma faca, mas foi desarmado e correu. Oliveira o perseguiu e passou a golpeou pelas costas. Já caído no chão, foi acertado com facadas no olho, no pescoço e na testa – segundo o delegado, foram 15 golpes. Depois, ele foi a um barracão buscar um machado para decapitar a vítima, que ainda estava viva, acertando-o no pescoço.

E 15 facadas e um machado não é legítima defesa, mas ódio. A morte é uma péssima notícia para um machado não é legítima defesa, mas ódio.

Fonte: UOL Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.