#VazaJato: Procuradores zombaram da morte de Marisa Letícia e de luto de Lula por irmão e neto

Novas mensagens da #VazaJato, divulgadas pelo site The Intercept em parceria com o Uol, mostram que procuradores, integrantes da Força-Tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, zombaram da morte da ex-primeira dama, Marisa Letícia e do luto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula se emociona durante o velório de sua mulher Marisa Letícia, em São Bernardo do Campo (SP) (Foto: Nacho Doce/Reuters)

“Estão eliminando as testemunhas…”, disse o procurador Januário Paludo. Nas mensagens de chat privados do aplicativo Telegram, obtidas por uma fonte anônima, eles dizem que Lula “faria uso político” da morte de sua esposa e ainda questionam a causa da morte de Marisa.

Veja mais: Corregedoria-geral do MPF não investigou procurador que pagou por outdoor ilegal para promover Lava Jato

As mensagens mostram ainda a divergência de opinião dos procuradores, sobre o pedido da defesa de Lula, para que o ex-presidente, que já estava preso em Curitiba, fosse ao enterro do irmão Genival Inácio da Silva, em janeiro desse ano. Os integrantes da Lava Jato disseram temer que militantes simpatizantes de Lula, tentassem impedir o retorno do ex-presidente à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

“Eu acho que ele tem direito a ir. Mas não tem como.”, disse Antônio Carlos Welter. Januário Paludo responde: “O safado só queria passear e o Welter com pena”. Laura Tessler comentou: “O foco tá em Brumadinho…logo passa…muito mimimi”. “O safado só queria ir passear”, escreveu Paludo.

Outro assunto que gerou debate e ironia entre os procuradores, foi a despedida de Lula do neto Arthur Araújo Lula da Silva, que morreu em março, aos 7 anos. No caso do velório de Arthur, a cerimônia teve escolta da PF, não foi permitida a entrada de militantes e não houve discurso. Lula permaneceu no local por duas horas, chorando muito. Mesmo assim, a procuradora Monique Cheker disparou: “Fez discurso político (travestido de despedida) em pleno enterro do neto, gastos públicos altíssimos para o translado, reclamação do policial que fez a escolta… vão vendo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *