Weverton e Edivaldo Jr se destacam no primeiro debate com candidatos a governador

O primeiro debate entre os candidatos ao governo do Maranhão foi realizado pela TV Difusora sem a presença do candidato à reeleição Carlos Brandão. Joás Moraes também não compareceu, mas enviou justificativa.

O destaque do primeiro bloco foi o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior. Ele teve o empate mais acalorado diretamente com o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim e detonou a questão dos bens do candidato do PSC, que é milionário e afirmava ser pobre na pré-campanha. No embate com Simplício Araújo, Edivaldo se saiu bem ao se defender sobre o ano Diretor e falar de geração de empregos. Outro destaque do primeiro bloco foi que Lahesio teve a oportunidade de questionar diretamente para Weverton e confrontar seu principal adversário no debate, mas preferiu fugir e escolher um candidato mais tranquilo.

O segundo bloco foi de perguntas dos jornalistas. Foi um bloco mais frio e mais de apresentação de propostas.

No terceiro bloco o encontro entre Edivaldo e Weverton foi um bom embate. Simplício e Lahesio também tiveram um confronto interessante. Hertz foi duro com Lahesio ao chamar Bolsonaro de genocida e cravar: “me diz com quem tu andas que eu te direi quem tu és”.

Weverton, que começou o debate mais tímido e sem confrontos mais ríspidos, cresceu pra cima de Hertz em um debate sobre ideologia confirmando que seu lado político.

No geral, Weverton e Edivaldo foram os melhores. Weverton foi bem, embora tenha sido um pouco repetitivo, mas conseguiu aproveitar o tempo pra mostrar suas propostas, contra-atacou bem. Edivaldo foi o mais duro contra os adversários e explorou muito a questão da sua experiência no executivo.

Simplício passou bem, mostrando suas propostas sobre geração de emprego.

Lahesio foi decepcionante para os eleitores que nunca o tinha visto falar. Vago e sem poder de reação aos ataques.

Os candidatos da extrema esquerda criticaram Bolsonaro, privatizações e capitalismo.

Do Blog do Clodoaldo Corrêa 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.